Notícias

Responsabilização

CGU apura irregularidades de empresas citadas em acordo de leniência com a SBM

publicado: 22/08/2019 13h33, última modificação: 22/08/2019 13h33
Faercom e Oildrive, representantes do grupo no Brasil, teriam pago vantagens indevidas a empregados públicos da Petrobras em troca de favorecimento
CGU apura irregularidades de empresas citadas em acordo de leniência com a SBM

Expectativa da CGU é concluir o processo dentro do prazo máximo de 180 dias

A Controladoria-Geral da União (CGU), por meio da Corregedoria-Geral da União (CRG), instaurou, nesta quinta-feira (22), processo administrativo de responsabilização (PAR) em face das empresas Faercom Energia e Oildrive Consultoria em Energia e Petróleo, que atuavam como representantes do Grupo SBM no Brasil. O objetivo é apurar o pagamento de vantagens indevidas a empregados públicos da Petrobras, com base em informações prestadas pelas SBM Offshore e SBM Holding no âmbito do acordo de leniência, firmado em julho de 2018.

A SBM Offshore e a SBM Holding reportaram à CGU que, após investigações internas, foi verificada a existência de pagamentos vultosos de comissões à Faercom e à Oildrive, as quais cediam parte desses valores a empresas offshore. Posteriormente, descobriu-se que essas empresas offshore repassavam vantagens indevidas as empresas offshore de empregados públicos da Petrobrás em troca de favorecimento ao Grupo SBM.

A expectativa da CGU é concluir o processo dentro do prazo máximo de 180 dias. Caso condenadas, as empresas investigadas serão declaradas inidôneas para licitar ou contratar com a Administração Pública.