Auditoria e Fiscalização

Inovação

Ministro da CGU defende o uso de tecnologia para enfrentamento da corrupção

publicado: 24/04/2019 12h38, última modificação: 24/04/2019 12h40
Wagner Rosário afirmou que análise de dados já é realidade nas atividades realizadas pela Controladoria
Ministro da CGU defende o uso de tecnologia para enfrentamento da corrupção

Para o ministro da CGU, o uso de soluções de análise de dados no combate à corrupção é uma realidade - Foto: Sérgio Almeida/CNMP

O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, afirmou nesta quarta-feira (24) que o Governo Federal vem passando por um processo de transformação por meio do uso cada vez mais intenso da tecnologia, tanto para redução de custos como para o enfrentamento da corrupção. Rosário participou da abertura do Simpósio Nacional sobre o Uso de Data Analytics no Enfrentamento da Corrupção, promovido pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). 

Segundo o ministro, a aplicação de soluções de análise de dados (data analytics) por parte do governo não é um processo simples, pois envolve investimento em tecnologia e formação de mão-de-obra especializada. No entanto, o uso desse recurso no combate à corrupção é uma realidade. “A CGU vem lançando mão de diversas ferramentas e soluções que, por meio de técnicas de aprendizado de máquina (machine learning), permitem a detecção de padrões em diversos tipos de fraudes e condutas ilícitas, seja em programas sociais, convênios, licitações ou mesmo por parte de empresas fornecedoras de produtos e serviços para o Governo Federal”, explicou. 

Wagner Rosário citou como exemplo o sistema Alice, desenvolvido pela CGU, que utiliza técnicas de mineração de textos para identificar irregularidades em editais de licitação e pregões eletrônicos. “Só em 2019, dez pregões foram suspensos ou cancelados, com base em auditorias realizadas pela Controladoria a partir de informações fornecidas pelo sistema Alice. O potencial prejuízo financeiro evitado com a interrupção dessas licitações foi de R$ 628 milhões”, informou. 

Outro exemplo utilizado pelo ministro foi o Mapa de Risco de Fornecedores, que é um modelo de aprendizagem desenvolvido pela CGU para classificar empresas quanto ao grau de similaridade com outras que já sofreram punições graves em contratos com o Governo Federal. “Utilizar análise de dados é o presente e é o futuro na luta contra a corrupção”, afirmou Rosário. 

Simpósio 

O evento busca debater como a ciência de dados pode ampliar a capacidade de monitoramento do gasto público e o de enfrentamento da corrupção. O tema está entre os objetivos de uma comissão criada pelo CNMP para promover estudos e atividades que favoreçam o aperfeiçoamento da atuação do Ministério Público no combate à corrupção. 

A abertura do Simpósio contou ainda com a presença do presidente da Comissão Especial de Enfrentamento da Corrupção do CNMP, Silvio Roberto Oliveira de Amorim Junior; do Corregedor Nacional do Ministério Público, Orlando Rochadel Moreira; da secretária-geral do CNMP, Cristina Nascimento de Melo.