Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2018 > 10 > CGU combate fraudes em contratações na Companhia Docas de São Paulo

Auditoria e Fiscalização

CGU combate fraudes em contratações na Companhia Docas de São Paulo

Ações Investigativas

Esquema envolvia servidores e empresários. Contratos investigados totalizam R$ 37 milhões
publicado: 31/10/2018 08h12 última modificação: 31/10/2018 08h25
Apurações tiveram início a partir de denúncia da CGU acerca da existência de esquema de fraudes em contratos, com envolvimento de agentes públicos ligados à estatal e empresários

Apurações tiveram início a partir de denúncia da CGU acerca da existência de esquema de fraudes em contratos, com envolvimento de agentes públicos ligados à estatal e empresários

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) participa, nesta quarta-feira (31), da Operação Tritão. O trabalho é realizado em parceria com a Polícia Federal (PF), o Ministério Público Federal (MPF), a Receita Federal do Brasil (RFB) e o Tribunal de Contas da União (TCU). O objetivo é desarticular uma organização criminosa voltada à prática de crimes na Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). 

As apurações tiveram início a partir de denúncia da CGU acerca da existência de esquema de fraudes em contratos, com envolvimento de agentes públicos ligados à estatal e empresários. Os auditores identificaram irregularidades em duas contratações na área de informática, além de pagamento indevido à uma empresa. 

Dentre as irregularidades, destacam-se contratações antieconômicas e direcionadas, além de aquisições desnecessárias e ações adotadas para simular a realização de serviços. Os contratos sob investigação perfazem um total de R$ 37.224.391,90. O valor do montante desviado será devidamente calculado no decorrer da apuração pelas autoridades competentes. 

A Operação Tritão consiste no cumprimento de 21 mandados de busca e apreensão de pessoas físicas e jurídicas, bem como de sete mandados de prisão temporária, em São Paulo (SP), Santos (SP), São Caetano do Sul (SP), Guarujá (SP), Barueri (SP), Brasília (DF), Fortaleza (CE) e no Rio de Janeiro (RJ). O trabalho conta a participação de oito auditores da CGU, 10 auditores da Receita Federal e de 100 policiais federais.