Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > 12 > CGU e PF investigam fraudes em operações do Banco do Nordeste

Auditoria e Fiscalização

CGU e PF investigam fraudes em operações do Banco do Nordeste

Irregularides

Operação Caixa 3 visa apurar irregularidades em financiamentos firmados entre o BNB e grupo empresarial
publicado: 22/12/2017 11h31 última modificação: 22/12/2017 11h33
Objetivo é a obtenção de provas sobre a ocorrência de má-fé e dolo, por parte de empregados do BNB, na concessão e acompanhamento dos financiamentos investigados

Objetivo é a obtenção de provas sobre a ocorrência de má-fé e dolo, por parte de empregados do BNB, na concessão e acompanhamento dos financiamentos investigados

Nesta sexta-feira (22), o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), em conjunto com a Polícia Federal, deflagra a Operação Caixa 3. A ação apura indícios de gestão fraudulenta em operações de crédito firmadas entre o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e o Grupo Petrópolis. O objetivo é a obtenção de provas sobre a ocorrência de má-fé e dolo, por parte de empregados do BNB, na concessão e acompanhamento dos financiamentos investigados.

Os fatos investigados foram apurados inicialmente em auditoria da CGU no BNB, que teve por escopo a análise das operações de crédito para a construção de duas fábricas de bebida (na Bahia e em Pernambuco). Os contratos, em questão, compreendem o montante de, aproximadamente, R$ 827 milhões. O possível prejuízo ainda não foi apurado.

A auditoria da CGU apontou irregularidades na avaliação, concessão e acompanhamento das operações de crédito do BNB sob exame, financiadas com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE). Dentre as constatações, está a substituição da garantia fiança bancária (avaliada com rating AA) por hipoteca de parque industrial (avaliada com rating B) autorizada pela direção e posteriormente aprovada pelo Conselho de Administração do banco após parecer técnico favorável - em desacordo com os normativos internos e de complicance da estatal.

A investigação também apura a ocorrência de desvio dos recursos obtidos pelo grupo empresarial para pagamento de despesas de campanhas eleitorais. A Operação Caixa 3 conta com a participação de cerca de 72 policiais federais e 10 auditores da CGU. Estão sendo cumpridos 14 mandados de busca e apreensão nos Estados do Ceará, do Rio de Janeiro, da Bahia, de Pernambuco e de São Paulo.