Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > 09 > CGU participa do Projeto Ouvidoria nas Ruas na Estação Central do Brasil (RJ)

Ouvidoria

CGU participa do Projeto Ouvidoria nas Ruas na Estação Central do Brasil (RJ)

Cidadania

Usuários também responderam questionário sobre percepção e utilização de ouvidorias públicas
publicado: 15/09/2017 16h24 última modificação: 15/09/2017 16h42
Ação buscou facilitar contato dos usuários com órgãos públicos, para recebimento de manifestações

Ação buscou facilitar contato dos usuários com órgãos públicos, para recebimento de manifestações

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), por meio de sua Unidade Regional no Rio de Janeiro, participou, nessa terça-feira (12), na Estação Central do Brasil, da primeira edição do Projeto Ouvidoria nas Ruas. A iniciativa reuniu representantes de ouvidorias federais, estaduais e municipais, do Ministério Público e da Justiça do Trabalho, no intuito de facilitar o contato dos usuários com os órgãos públicos, para recebimento de manifestações (denúncias, reclamações, elogios, sugestões e pedidos de informação). 

A CGU realizou 325 atendimentos. Para cada cidadão, também foi entregue um formulário que indagava sobre a percepção e utilização das ouvidorias públicas. A taxa de resposta foi de 96%. 

Questionário 

Dos respondentes ao questionário, 134 afirmaram saber o que é e o que faz uma Ouvidoria – para 34% é “local onde o cidadão pode reclamar”; para 13% serve para “ouvir pessoas”; e para 4,3% o termo está associado a “resolver problemas”. Outra pergunta do formulário era sobre o uso das ouvidorias. Dos 62 que disseram já ter utilizado este canal, cerca da metade (49%) se mostrou satisfeito ou muito satisfeito com o atendimento recebido. 

A pesquisa também demonstrou que o conhecimento e o acesso aos canais de ouvidoria variam conforme o gênero e o nível de escolaridade dos respondentes, sendo mais frequente entre mulheres (24,6%) e usuários com maior escolaridade (quase 70% daqueles com nível superior). 

 

 

Apesar de se tratar de amostragem não probabilística, o que impediria a realização de maiores inferências para toda a população, a CGU concluiu pela necessidade de ampliação de eventos deste gênero (ouvidoria ativa), a fim de divulgar aos usuários de serviços públicos seus direitos, como exercê-los e o papel das ouvidorias como instrumentos de defesa e proteção. Esse tipo de ação tem forte conteúdo pedagógico e se mostra importante instrumentos de conscientização.