Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > 04 > Operação Primo Rico investiga desvios da saúde e da educação em Alagoas

Auditoria e Fiscalização

Operação Primo Rico investiga desvios da saúde e da educação em Alagoas

Ações Investigativas

Ministério da Transparência apura falta de estrutura de empresas para execução de contratos milionários
publicado: 11/04/2017 08h56 última modificação: 12/04/2017 08h42
Ascom/CGU São investigados recursos de cerca de R$ 30 milhões, sendo R$ 18 milhões de origem federal.

São investigados recursos de cerca de R$ 30 milhões, sendo R$ 18 milhões de origem federal.

O Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) participa, na manhã desta terça-feira (11), da Operação Primo Rico, em Alagoas. A ação, realizada em conjunto com a Polícia Federal, apura irregularidades em contratos de transporte, material de limpeza e gestão de serviços públicos entre prefeituras alagoanas e empresas. São investigados recursos de cerca de R$ 30 milhões, sendo R$ 18 milhões de origem federal. 

De acordo com a operação, foram constatados indícios de irregularidades como: não existência de frota de veículos registrada como propriedade de empresa que oferecia serviço de transporte; inexistência de funcionários para executar gestão de pessoas; e venda de mercadorias a descoberto (sem aquisição de produtos em quantidade compatível com a venda). Os recursos investigados são das áreas de saúde e de educação, entre os anos de 2013 e 2016. 

Além disso, há indícios de que os sócios-diretores e administradores das empresas possuíam ocupação e padrão de vida simples, incompatíveis com o faturamento milionário das entidades registradas nos próprios nomes. As prefeituras alagoanas envolvidas no esquema são: Ibateguara, Messias e São José da Laje. 

A ação consiste no cumprimento de três mandados de busca e apreensão no município de Ibateguara. A Operação Primo Rico conta com a participação de cerca de 25 pessoas, entre auditores da CGU e policiais federais.