Auditoria e Fiscalização

Operação Remenda

CGU e Polícia Federal apuram desvios de recursos públicos da agricultura e do turismo por ONG de fachada

publicado: 15/03/2016 09h23, última modificação: 15/03/2016 10h25
Investigação teve início há três anos e envolve diretores de entidades, assessores e ex-políticos. Prejuízo estimado é de cerca de R$ 4 milhões
CGU e Polícia Federal deflagram Operação Remenda

Estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão, sete de prisão temporária e um de prisão preventiva em Pernambuco, Ceará, Distrito Federal e Rio de Janeiro - Foto: Ascom/CGU

A Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal realizam, nesta terça-feira (15), em Pernambuco, a Operação Remenda, com o objetivo de desarticular quadrilha que desviava recursos públicos da agricultura e do turismo por ONG de fachada. A investigação teve início há três anos e envolve diretores de entidades, assessores e ex-políticos. O prejuízo estimado é de cerca de R$ 4 milhões.

O trabalho teve por base fiscalização da Controladoria que apurou irregularidades no processo de contratação da ONG, bem como na execução dos convênios. A operação verificou que recursos dos Ministérios da Agricultura e do Turismo eram desviados por diretores de entidade não governamental e por ex-assessor de ex-deputado federal de Pernambuco, responsável pelas emendas parlamentares dos convênios.

Estão sendo cumpridos 13 mandados de busca e apreensão, sete de prisão temporária e um de prisão preventiva em Pernambuco, Ceará, Distrito Federal e Rio de Janeiro. Estão sendo cumpridos, ainda, mandados de intimação para oitiva imediata dos investigados. Além disso, medidas cautelares de sequestro de bens estão sendo adotadas para garantir o ressarcimento ao erário de cerca de R$ 700 mil. Participam da investigação cerca de 90 pessoas, entre policiais e auditores da CGU.

Os crimes investigados são: formação de quadrilha ou bando; peculato ou apropriação indébita de recursos públicos; e lavagem de dinheiro. A Operação Remenda faz referência a um trocadilho de palavras pelo fato de os recursos terem sidos liberados por emenda parlamentar, ou seja, remendar um problema com outra emenda.