Auditoria e Fiscalização

Ações Investigativas

CGU investiga desvio de recursos pela Fundação de Apoio da Universidade Federal do Tocantins

publicado: 17/12/2015 11h46, última modificação: 17/12/2015 12h30
Operação Apoio Zero apura irregularidades de cerca de R$ 800 mil em projetos de ensino, pesquisa e extensão da entidade
Apoio Zero apura irregularidades em fundação da Universidade Federal do Tocantins

São alvos da operação um ex e um atual dirigente da FAPTO, empresários e pessoas físicas, além de servidor público da alta administração da UFT - Foto: Crédito: uft.edu.br

A Controladoria-Geral da União (CGU), o Ministério Público Federal e a Polícia Federal deflagram, nesta quinta-feira (17), a Operação Apoio Zero, com o objetivo de apurar desvios de recursos públicos repassados pela Universidade Federal do Tocantins (UFT) à Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (FAPTO). Os valores são referentes a despesas de projetos de ensino, pesquisa e extensão.

De acordo com as investigações, a Controladoria identificou desvios de, ao menos, cerca de R$ 800 mil em 2014, a partir de pagamentos por serviços não executados, direcionamento de contratação e transferências bancárias indevidas. Além disso, a operação revelou a existência de transferências de recursos da FAPTO que beneficiaram empresas ligadas a dirigente da fundação na época.

Houve também transferências irregulares de mais de R$ 4 milhões entre as contas correntes específicas de projetos de ensino, pesquisa e extensão ligados à universidade em 2014, além de contas genéricas de administração da fundação.  São alvos um ex e um atual dirigente da FAPTO, empresários e pessoas físicas e servidor público da alta administração da UFT.

São investigados os crimes de peculato, corrupção passiva e corrupção ativa. Estão sendo cumpridos dez mandados de busca e apreensão e oito mandados de condução coercitiva, nos municípios de Palmas (TO), Gurupi (TO), Porto Nacional (TO) e Rio de Janeiro (RJ).