Atividade Disciplinar

Cerimônia

Sistema de Correição do Poder Executivo Federal completa dez anos de atividades

publicado: 17/07/2015 16h02, última modificação: 17/07/2015 16h16
Ministro-chefe da CGU, Valdir Simão, celebra vitórias e incentiva a superação de desafios
Sistema de Correição do Poder Executivo completa dez anos

Cerimônia realizada nesta sexta-feira (17) marcou a comemoração dos dez anos de criação do Sistema de Correição do Poder Executivo Federal (Siscor), criado pelo Decreto 5.480 em 2005. O ministro-chefe da Controladoria-Geral da União (CGU), Valdir Simão, o Corregedor-Geral da União, Waldir João Ferreira Jr, e o Secretário Federal de Controle Interno, Francisco Bessa, participaram da mesa de abertura, seguida da apresentação do painel “História e Perspectivas do Siscor”, feita pelo ministro Valdir Simão.

O ministro saudou Corregedores do Executivo Federal, corregedores adjuntos, seccionais, coordenadores e demais servidores presentes ao evento pela conquista. “Vocês conseguiram construir um sistema eficaz e institucionalizar uma atividade que é fundamental”.

Em sua exposição, Valdir Simão destacou que nessa década do Siscor, 67% das expulsões do serviço público se deram por atos que favoreceram a corrupção. Lembrando o ditado popular que diz “a ocasião faz o ladrão”, o ministro buscou no personagem Conselheiro Ayres de Machado de Assis, segundo o qual “a ocasião faz o furto, mas, o ladrão já nasce feito”, a inspiração para incentivar o aperfeiçoamento do trabalho de controle e correição. “Embora a atuação preventiva seja fundamental, não podemos esperar até que tenhamos uma sociedade impermeável a atos de corrupção”, disse.

O Corregedor-Geral da União também saudou os colegas pelo trabalho exercido na última década. Para Waldir João, a melhor forma de combate à corrupção é a melhora da integridade dos órgãos. “Não atuamos em perseguição. Perseguimos apenas a boa gestão”, destacou.

Em nome dos colegas da Secretaria Federal de Controle Interno (SFC), o secretário Francisco Bessa registrou a integração entre as duas secretarias “A função correcional tem um papel central não só na punição, mas certamente, também, na prevenção da corrução”, afirmou.