Auditoria e Fiscalização

Gestão Pública

Simão abre evento sobre controle interno promovido pelo Ministério da Fazenda

publicado: 28/04/2015 18h57, última modificação: 29/04/2015 15h18
Para ministro, ação de controle deve ser aplicada como instrumento de aperfeiçoamento gerencial dos órgãos da administração pública

“O controle faz parte da gestão e não há boa gestão sem o controle”. Foram com essas palavras que o ministro-chefe da Controladoria-Geral da União, Valdir Simão, marcou a sua participação no 1º Fórum de Auditoria e Controles Internos do Ministério da Fazenda, na manhã desta terça-feira (28), em Brasília. Simão participou da abertura do evento, ao lado do ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Simão afirmou que o trabalho de melhoria da gestão é fundamental para o país e que para o gestor entregar resultados de acordo com esperado é necessário que ele planeje adequadamente as ações e faça a respectiva execução de forma monitorada, controlando cada um dos resultados, cada uma das entregas. Neste sentido, segundo o ministro, a CGU tem buscado atuar na participação da gestão sem inibir as iniciativas de inovação, mas aplicando o olhar treinado do auditor para identificar o que precisa ser aprimorado sob a ótica do controle.

Áudio: Apresentação do Ministro Valdir Simão



Download do áudio - tamanho (9,6 MB)


O ministro ressaltou que é fundamental, no governo federal, tornar a ação de controle em um instrumento de aperfeiçoamento gerencial estruturante de cada um dos ministérios e órgãos da administração pública. “Esse é um desafio que temos enfrentado no âmbito da CGU. Estamos redesenhando a nossa atuação, para que ela seja um pouco mais preventiva junto aos órgãos e menos repressiva e reativa”, destacou. Ele reforçou, no entanto, que, apesar desse redesenho na atuação da Controladoria, a ação repressiva já está bem estruturada e continuará a ser feita de forma rigorosa e permanente, como já vem sendo feito ao longo dos últimos anos.

Para Simão, a atuação do controle interno deve garantir a integridade das rotinas e dos processos de trabalho, bem como da gestão, sendo necessária a adoção de uma governança adequada, com programas de integridade que devem ser adotados por cada um dos órgãos do governo. “A prevenção é necessária porque depois que o dinheiro é desviado dificilmente nós conseguimos recuperar”, complementou.

O 1º Fórum de Auditoria e Controles Internos do Ministério da Fazenda também contou com a participação do coordenador-geral de Integridade da CGU, Renato Capanema, que fez apresentação sobre a Lei Anticorrupção, e do presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Antônio Gustavo Rodrigues, que apresentou palestra sobre Lavagem de Dinheiro.

error while rendering plone.belowcontenttitle.contents