Responsabilização de Empresas

Petrobras

CGU: valores da Petrobras poderão ser utilizados como referência em processos

publicado: 23/04/2015 15h31, última modificação: 24/04/2015 10h02
Para o ministro Valdir Simão, balanço também pode ajudar nos processos de responsabilização e, eventualmente, em algum acordo de leniência

O ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Valdir Simão, afirmou nesta quinta-feira (23/04) que o balanço da Petrobras, divulgado na última quarta-feira, poderá ser usado como referência nos processos de investigação do órgão. “A partir da contabilização, certamente a empresa tem um valor base para a busca do ressarcimento. Nós ainda não temos detalhes de como foi contabilizado, das contas da Petrobras. Vamos entender. E isso vai nos ajudar também nos processos de responsabilização e, eventualmente, em algum acordo de leniência que porventura possa vir a ser firmado”, afirmou o ministro Simão após abertura do Seminário Internacional Brasil 100% digital.

Escute aqui as declarações do ministro.



 

Empresas sob processo de responsabilização

A Controladoria-Geral da União já abriu processo administrativo contra 29 empresas envolvidas no âmbito da Lava Jato: SBM Offshore, Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, Iesa, Mendes Junior, OAS, Queiroz Galvão, UTC-Constran, Alumni Engenharia, GDK, Promon Engenharia, Andrade Gutierrez, Fidens Engenharia, Sanko Sider, Odebrecht, Odebrecht Óleo e Gás, Odebrecht Ambiental, SOG Óleo e Gás, Tome Engenharia S/A, Egesa Engenharia S/A, Carioca Christian Nielsen S/A, Skanska Brasil Ltda, Eit Empresa Industrial Técnica S/A, MPE Montagens e Projetos Especiais S/A, Techint Engenharia e Construções Ltda, NM Engenharia e Construções Ltda, Construcap CCPS Engenharia e Comércio S/A, Niplan Engenharia S/A e Jaraguá Equipamentos Industriais Ltda.

 

error while rendering plone.belowcontenttitle.contents