Transparência Pública

Brasil auxilia El Salvador a desenvolver Portal de Transparência

publicado: 12/12/2014 14h40, última modificação: 12/12/2014 14h40
Secretário de Transparência da CGU apresentou, em Paris, durante o Simpósio sobre Assistência no Combate à Corrupção, o processo de cooperação entre os dois países, que também conta com a participação dos EUA
el-salvador.jpg

A Controladoria-Geral da União (CGU) participa, nestas quinta e sexta-feira (11 e 12), do Simpósio sobre Assistência no Combate à Corrupção, realizado na sede do Banco Mundial, em Paris (França). O objetivo da iniciativa é compartilhar e compilar boas práticas na implementação de ações contra a corrupção, bem como ampliar as parcerias entre os países participantes. Na ocasião, o secretário de Transparência e Prevenção da Corrupção (STPC), Sérgio Seabra, que representa a CGU no evento, falou sobre a Cooperação Trilateral – entre Brasil, Estados Unidos e El Salvador –, por meio do qual a Controladoria auxilia a produção do novo portal de transparência de El Salvador. O trabalho teve início em dezembro de 2013 e recebe apoio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAID).

A assistência prestada pela CGU tem como base a manutenção e evolução contínua do Portal da Transparência do Governo Federal, que completou 10 anos de criação em novembro deste ano. O site é reconhecido internacionalmente como referência na divulgação proativa de dados públicos sobre despesas, receitas, contratos e convênios do Governo Federal, com linguagem cidadã, de maneira centralizada e com atualização diária. O intercâmbio de conhecimento envolve profissionais brasileiros e salvadorenhos das áreas de Negócio e de Tecnologia da Informação (TI).

Segundo Seabra, esse é um exemplo de cooperação técnica internacional bem sucedido, por meio do qual a sociedade de El Salvador foi beneficiada com a ampliação da transparência pública do seu país. “Tal articulação foi viabilizada a partir da atuação prospectiva da Secretaria de Transparência e Prevenção da Corrupção da CGU para o desenvolvimento de ações de cooperação técnica e jurídica internacional, de prestação ou de recebimento de assistência”, explicou o secretário.

A CGU faz parte do comitê organizador do Simpósio, juntamente com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Departamento de Estado dos Estados Unidos, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), o Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID) e a Nova Parceria para o Desenvolvimento da África (NEPAD).