Auditoria e Fiscalização

Licitações

Operação “São Cristovão” combate desvios de recursos no Sest/Senat

publicado: 19/09/2014 13h13, última modificação: 19/09/2014 18h13
Objetivo é desarticular organização criminosa especializada em desviar milhões de reais do Serviço Social do Transporte (Sest) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat). A ação está sendo feita, simultaneamente, no DF e em Minas Gerais.

A Controladoria-Geral da União (CGU), em parceria com a Receita Federal, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Polícia Civil do Distrito Federal, realiza, na manhã desta sexta-feira (19), a Operação “São Cristovão”, que visa desarticular organização criminosa especializada em desviar milhões de reais do Serviço Social do Transporte (Sest) e do Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat). A ação está sendo feita, simultaneamente, no Distrito Federal e em Minas Gerais.

As investigações tiveram início em setembro de 2013, quando a CGU constatou o direcionamento de licitações com o objetivo de beneficiar pessoas ligadas a funcionários e dirigentes das próprias entidades. A Controladoria identificou a ocorrência de pagamentos a prestadores de serviço que possuíam vínculos societários ou de parentesco com funcionários. Também foi identificado o pagamento de altos salários, incompatíveis com os vencimentos, a empregados do Sest/Senat.

Além disso, o Sest/Senat se recusou a fornecer informações à Controladoria, cerceando a atuação dos auditores, além de ter apresentado documentos falsos. Em relação à checagem nas folhas de pagamento, verificou-se, com base na documentação analisada, o desembolso de R$ 710.102,21 no mês de junho de 2013, quando, na verdade, haviam sido pagos R$ 1.702.993,54. Isso demonstrou forte indício de adulteração de dados e de desvio de recursos das entidades. De acordo com a as apurações, estima-se que mais de R$ 20 milhões tenham sido desviados das entidades nos últimos dois anos.

A propósito dos problemas apurados à época, a CGU comunicou os fatos ao procurador-geral da República, conforme os seguintes ofícios: Ofício 34.505, de 19/11/2012 e Ofício 3.713, de 12/02/2014.

A CGU participa da operação com 15 servidores, que atuam ao lado de policiais civis do Distrito Federal e de servidores da Receita Federal, além de representantes do MPDFT.