Menu acessĆ­vel interno:
 
   
 
Mapa do Site | Perguntas Frequentes | Sites Relacionados | Contato


Mapa do Site Perguntas Frequentes Sites Relacionados Fale Conosco Busca CGU 10 anosPerfil da CGU no TwitterPerfil da CGU no FacebookPerfil da CGU no Youtube PƔgina Inicial da CGU PƔgina Inicial da CGU PƔgina Inicial da CGU

09/12/2011

9 DE DEZEMBRO: Jorge Hage aponta principais causas da corrupção no Brasil

O ministro-chefe da Controladoria-Geral da União, Jorge Hage, disse hoje (9) que as causas mais profundas da corrupção têm raízes em questões “como o financiamento privado de campanhas e de partidos, o sistema eleitoral, os meandros da elaboração do orçamento público e, sobretudo, a urgente necessidade de reforma das leis processuais penais, que são, hoje, a principal garantia de impunidade”.

A declaração foi feita durante a abertura do evento comemorativo do Dia Internacional contra a Corrupção, quando o ministro voltou a defender a aprovação da chamada Emenda dos Recursos, que tramita no Congresso e que, segundo ele, “permitiria a prisão dos corruptos após o julgamento por um Tribunal, acabando com a terrível sensação de impunidade que vivemos em nosso país, e que é, sem sombra de dúvida, o principal alimento da corrupção”. Leia aqui a íntegra do pronunciamento do Ministro.

 


Saiba mais

 

Representando a presidenta Dilma Rousseff no evento, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hohffmanf, destacou o trabalho desenvolvido e os resultados alcançados pela CGU na prevenção e combate à corrupção e lembrou um trecho do discurso de posse da presidenta: “Serei rígida na defesa do interesse público. Não haverá compromisso com o desvio e o malfeito.
A corrupção será combatida permanentemente, e os órgãos de controle e investigação terão todo o meu respaldo para atuarem com firmeza e autonomia”.

O advogado-geral da União, Luiz Inácio Adams, também elogiou o trabalho da Controladoria e revelou que a AGU ampliou, nos últimos anos, o índice de recuperação de recursos desviados de 1% para 15%. “E nossa próxima meta é chegar a 25% até 2016”, anunciou.

Benjamin Zymler, presidente do Tribunal de Contas da União, defendeu uma integração ainda maior entre os órgãos de fiscalização e controle, bem como o uso da inteligência no combate à corrupção. Segundo ele “a sociedade tem que perceber que a corrupção é um mau negócio e implica em grande risco”.

Por sua vez, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse ser difícil imaginar crime mais grave que o da corrupção, porque cada centavo desviado desfalca a saúde, a educação ou a assistência social prestada aos mais pobres e necessitados. Apesar disso, citou números de uma pesquisa segundo a qual apenas 0,23% do total dos mais de 450 mil presos brasileiros pagam pena por delitos contra a administração pública.

Além das autoridades já citadas, compuseram ainda a mesa dirigente do evento o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra; o representante no Brasil do Escritório da ONU sobre Drogas e Crime, Bo Mathiasen; o representante da Unesco, Guilherme Canela; e o deputado Francisco Praciano, presidente da Frente Parlamentar Mista contra a Corrupção.

 

Assessoria de Comunicação Social